Empresa Código de Ética Produtos Tecnologia Meio Ambiente Pessoas Trabalhe Conosco Investidores Imprensa
Meio Ambiente Tupy
Foto Equipamento de Regeneração

Areias de Fundição

Areias constituem o principal resíduo de fundição, visto que com elas são feitos todos os moldes das peças fundidas. Encontrar solução para o reuso dessas areias tem sido o maior desafio da TUPY. Areias descartadas pelos processos de macharia já não constituem problema. A TUPY conta com regeneradores próprios nas duas plantas fabris, de Joinville e Mauá, e o reaproveitamento é praticamente total.

O maior volume, porém, é constituído de areias de moldagem e estas, por serem classificadas pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas - como resíduo Classe II A, não inerte, até pouco tempo atrás tinham como único destino os aterros industriais. O mesmo não acontece em países europeus e nos Estados Unidos, que reaproveitam essas areias para diversos fins.

Aos conselhos estaduais de meio ambiente compete legislar sobre o assunto. Convencê-los de que areias de moldagem não são perigosas tem exigido das fundições brasileiras muito estudo e comprovação. Nesse sentido, a TUPY é certamente a indústria que mais contribuições trouxe às discussões e mais subsídios ofereceu.

Com a assinatura, em 2008, de resolução do Conselho Estadual de Meio Ambiente de Santa Catarina autorizando o uso na composição de massa asfáltica e na construção de artefatos de concreto sem funções estruturais, uma primeira frente foi aberta pela TUPY. Em caráter experimental a empresa montou uma fábrica de pavers, utilizados na pavimentação de calçadas, e vem produzindo lotes que estão sendo doados para obras públicas em Joinville.
O objetivo é exclusivamente o de mostrar ao mercado da construção que o reuso é viável, evitando com isso o uso de areia virgem, um recurso natural,
e contribuindo para reduzir o volume de areia enviada a aterros.

A quantidade usada na fabricação de pavers, porém, é pequena, e por isso a TUPY lidera outros projetos experimentais no Estado de Santa Catarina, como o de utilização dessas areias para construir bases e sub-bases de estradas e para assentar tubulações de esgoto. Ainda no sentido de comprovar a não periculosidade do resíduo, a empresa desenvolveu em parceria com a Epagri – Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural, um experimento de cultivo de alface e cenoura em solo com adição de areia descartada.
Os resultados comprovaram que não houve qualquer dano aos vegetais.

Aterro da Tupy